17 / 11 / 2017
CREMERJ sedia 51º Congresso Nacional dos Médicos Residentes

 

 

A defesa pela qualidade da assistência médica na saúde pública e suplementar, o fortalecimento da residência médica, os vínculos trabalhistas, previdência privada, empreendedorismo médico, saúde mental dos residentes, marketing médico e a importância da imagem pessoal foram os temas abordados durante o 51º Congresso Nacional dos Médicos Residentes/1º Congresso dos Médicos Residentes do Rio de Janeiro/1º Congresso Estadual dos Médicos Jovens, realizados nos dias 17, 18 e 19 de novembro, na sede do CREMERJ. Organizado em conjunto pela Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj) e a Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR), o evento reuniu residentes e representantes de entidades médicas de vários Estados e contou com cerca de 120 participantes ao longo dos três dias.

 

Na abertura oficial do Congresso, estavam reunidos o coordenador da Comissão de Saúde Pública do CRM, conselheiro Pablo Vazquez; o presidente da ANMR, Flávio Taniguchi; o presidente da Amererj, João Felipe Zanconato; a secretária geral da Comissão Nacional de Residência Médica, Rosana Leite de Melo; o diretor do Conselho Federal de Medicina Sidnei Ferreira; a diretora da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (Somerj), conselheira Kássie Cargnin; a presidente da Comissão de Residência Médica do Estado do Rio de Janeiro (Ceremerj), Susana Maciel; o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Jorge Darze, o vice-presidente da Associação Médica Brasileira, Diogo Sampaio; o residente da Associação Brasileira de Educação Médica Leandro Odone; os representantes do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Nívio Moreira e do  Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro Francisco Xavier; e o presidente do Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo, Carlos Magno.

 

Pablo Vazquez deu as boas-vindas ao público e frisou a relevância dos temas abordados no evento, principalmente no atual momento da saúde. “É fundamental constatar que a residência médica nunca foi um plano implementado com prioridade pelo governo e, sim, algo que os médicos brasileiros viram como uma experiência importante. Com o passar do tempo, foi estruturando-se no país, através de fóruns como este. Tenho certeza que o evento ajudará a fortalecer a residência médica e a qualidade da assistência à população, apesar da triste situação econômica e do descompromisso de muitos gestores”, observou o coordenador da Comissão de Saúde Pública do CRM.

 

O presidente da Amererj, João Zanconato, garantiu que os temas das palestras foram selecionados, em sua maioria, por sua relação com a formação e a carreira profissional, já que durante a faculdade o jovem médico não tem como aprofundar-se no assunto. “Esse congresso também é uma ótima oportunidade de nos aproximarmos das entidades médicas, já que estamos realizando ele no Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro e com a participação de diversas entidades médicas. É importante que o residente se envolva com suas instituições representativas para buscar mudanças significativas. A residência tem um cenário de destaque, pois grandes movimentos foram liderados por residentes, que acabam sendo os braços na luta médica”, disse.

 

Para o presidente da ANMR, Flávio Taniguchi, os congressos nacionais têm sido mais movimentados. “Há 30 anos, esse evento tinha um caráter muito político, no sentido de consolidar a residência médica no Brasil. Teve um momento em que os congressos da ANMR contavam com poucos residentes e, neste ano, dobrou o número de presentes. Temos trabalhado muito na reestruturação da ANMR e das associações estaduais. E esse nosso encontro trouxe uma significativa inovação ao abordar, dentre outros temas, o empreendedorismo no mercado”, pontuou.

 

O evento também contou com uma exposição sobre as lutas, conquistas, desafios e demandas dos residentes  ao longo de 20 anos. A mostra contou com cerca de 50 reportagens retratadas no Jornal do CREMERJ, entre 1996 e 2006.

 

Na sexta-feira, primeiro dia de evento, na mesa de debates A Residência Médica no Rio de Janeiro, a presidente da Ceremerj realizou duas palestras: "Censo da residência médica do Estado" e "Principais problemas da residência no Rio de Janeiro".

“Os residentes sempre têm dúvidas sobre a legislação. Muitas vezes, eles têm receio de procurar informações junto à Ceremerj ou à Amererj, portanto eu trouxe as respostas de uma série de dúvidas que recebemos na comissão. Mas o fundamental deste congresso é que os residentes se unam, porque sempre foram eles que abriram caminho para discussões”, disse.

 

 

A mesa que fechou as atividades do congresso nesse dia foi Aspectos Práticos da Residência: o que o residente precisa saber. O diretor da Amererj Francisco Coelho falou sobre "Direitos dos médicos residentes" e Evandro Mesquita, sobre "Bioética na prática diária do residente: dilemas e aspectos legais".

 

Já no sábado, segundo dia de congresso, a mesa Carreira Médica e os Vínculos Trabalhistas foi dividida em três palestras. O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Medronho, abordou o tema "Carreira docente na medicina". O presidente da Unimed-Rio, Romeu Scofano, palestrou sobre saúde suplementar e cooperativismo médico, enfatizando a melhora econômica da cooperativa carioca, e acenou com a possibilidade de ingresso para novos médicos.

 

 

Em seguida, as apresentações deram mais enfoque à parte administrativa da carreira. Os temas foram "Previdência privada: é preciso?", apresentada por Flavio Visiras, e "Como o médico pode investir?", proferida pelo engenheiro e economista Rui Marinho. Na mesa Empreendedorismo médico, os especialistas Vander Corteze, José Miguel e Bruno Lagoeiro falaram sobre "Médico empreendedor: novas possibilidades"; "O que é preciso saber para abrir um consultório"; e "A medicina e o mundo digital", respectivamente.

 

Na opinião da secretária geral da Comissão Nacional de Residência Médica, Rosana Leite, é importante que o evento frise a parte trabalhista, porque a residência é um treinamento que visa à excelência do profissional. “Espero que esse congresso amplie a visão dos médicos residentes e que eles consigam aplicar, na prática, o que estão aprendendo. A nossa eterna busca é pela qualidade no atendimento”, ressaltou Rosana.

 

Outros temas de destaque foram debatidos na mesa Saúde Mental, na qual o especialista Mário Melo Junior falou sobre "Saúde mental do residente e médico jovem". Na sequência, "Planejamento pessoal x profissional" foi abordado por Euler Nicolas.

 

No último bloco de palestras dia, a consultora de marketing Roberta Fernandes falou sobre "Imagem Profissional e Marketing Médico" e a diretora da Somerj e conselheira do CRM Kássie Cargnin apresentou a palestra "O marketing e a ética médica: mídias sociais, vitrine profissional?".

 

No domingo - terceiro e último dia de congresso - as mesas 50 Anos de Criação da ANMR, Residência Médica e a Legislação e Novos Rumos na Residência deram vez à discussão das demandas da residência ao longos das últimas cinco décadas, avanços e pautas que ainda precisam ser conquistadas.

 

O Congresso também marcou os 50 anos de criação da associação nacional, que nasceu no 2° Congresso Nacional, em 1967, no Rio de Janeiro, no Hospital Federal dos Servidores do Estado. Como resgate histórico, o Congresso retornou nessa edição para a capital fluminense.  

 

A diretoria da Associação Nacional dos Médicos Residentes entregou aos médicos Adnan Neser e Nivio Lemos Moreira o "Prêmio ANMR 50 Anos", em reconhecimento às suas atuações e ao seu trabalho em prol da residência no Brasil.

 

Adnan Nasser foi um dos fundadores da ANMR e sua participação começou antes da criação da entidade, no primeiro congresso em 1966, quando ainda era interno de medicina.  Em 1967, teve papel fundamental no 2º Congresso, com a fundação da ANMR. Atuou ativamente como médico residente e posteriormente como preceptor. Ocupou diversos cargos, entre eles a Coordenação da Comissão de Residência Médica do Estado de São Paulo.

 

Nivio Lemos Moreira Jr. foi presidente da ANMR e da Associação do Rio Grande do Sul, tendo fundado a Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas e atuado como diretor em diversas entidades médicas nacionais e internacionais. Atualmente é conselheiro do Estado de São Paulo e se mantém atuante em defesa da residência médica.

 

Ainda no domingo, a eleição com chapa única da diretoria da ANMR para o biênio 2018/2020 marcou o encerramento do Congresso Nacional. A nova equipe será composta pelo presidente, Juracy Barbosa dos Santos Junior (DF); pelo vice-presidente, Douglas Muniz Barbosa (SC); pelo secretário geral, Francisco de Assis Coelho (RJ); pelo primeiro secretário, Euler Nicolau Sauaia Filho (CE); pelo primeiro tesoureiro, Guilherme Andrade Peixoto (SP); pelo segundo tesoureiro, Mario Mello Junior (PE); e pelo diretor de Comunicação, Pauline Elias Josende (RS).