16 / 11 / 2017
Situação do Ronaldo Gazolla é debatida com a gestão da unidade

O diretor do hospital municipal Ronaldo Gazolla, José Ricardo Barros, esteve no CREMERJ em reunião com os conselheiros Gil Simões e Pablo Vazquez nessa terça-feira, 14, em busca de apoio e orientação jurídica para as medidas que devem ser tomadas na atual situação da unidade, que vem sofrendo com a grave crise da rede municipal.

José Ricardo, que assumiu a gestão em julho, explicou que há um desequilíbrio no orçamento e que o valor de contrato do hospital não consegue custear as despesas. O gestor ainda relatou os pedidos de demissão dos prestadores de serviços, que levará o hospital a correr um sério risco de ficar sem diálise, lavanderia, ambulância e laboratório.


Atualmente a unidade conta com 270 leitos e a maternidade, sendo uma das referências em emergência obstétrica no município, funcionando 24 horas com cerca de 500 partos por mês. O diretor ainda demonstrou a preocupação com a ameaça de paralisação dos 1300 funcionários.

O conselheiro Pablo orientou que o gestor do hospital fizesse um relatório sobre toda a situação da unidade, a movimentação do dia a dia e os índices de redução e envie ao CRM para que possam ser tomadas as medidas necessárias.

“A crise no Rio é muito grave, mas precisamos cobrar soluções, pois a saúde não pode ser tratada com descaso. É temerário o que pode acontecer se a situação continuar da forma como está”, disse Pablo.