16 / 10 / 2017
CREMERJ repudia violência a médico na UPA da Maré

Em resposta ao caso do médico que foi sequestrado nesse domingo, 15, por criminosos durante seu plantão na UPA da Maré, o CREMERJ considera inaceitável que qualquer profissional de saúde sofra qualquer tipo de violência dentro de seu ambiente de trabalho. O conselho ainda considera absurda a situação da violência no Rio e da falta de segurança nas unidades de saúde, incluindo seus arredores.

Para tratar desse assunto, o CREMERJ já se reuniu em diversos momentos com o secretário estadual de Segurança e com o Comando Oficial da Polícia Militar, além de encaminhar ofícios. Em todas essas ocasiões, o conselho pediu para que haja uma atitude mais concreta em relação à segurança, incluindo o atendimento de um paciente custodiado numa unidade de saúde. Em casos como este, é necessário que durante o atendimento a segurança no exterior do prédio seja bastante reforçada e, assim que possível, o paciente seja transferido para um hospital penitenciário.

O CREMERJ ainda destaca a importância do pleno funcionamento do hospital penitenciário, que atualmente está sucateado, com a falta de insumos e de recursos humanos.